Postado em 04 de Novembro às 10h23

Viabilidade econômica: Políticas fronteiriças e a integração entre Argentina, Paraguai e Brasil serão discutidas durante Fórum Internacional

Santa Catarina é o maior produtor e exportador de carne suína do Brasil. De janeiro a setembro de 2019, o Estado exportou 299,1 mil toneladas do produto, uma alta de 18% em relação ao ano anterior. Consequentemente, toda essa produção proporciona grandes quantidades de dejetos distribuídos no solo e em muitas propriedades a distância a ser distribuída é longa e não viabiliza economicamente o produtor, gerando despesas ao invés de lucro. Esse tema será debatido durante o I Fórum Agro Sem Fronteiras, que tem como correalização do Sebrae/SC.
Para quem não sabe, os dejetos suínos em função de suas características químicas, têm um alto potencial fertilizante, podendo substituir em parte ou totalmente a adubação química e contribuir, significativamente, para o aumento da produtividade das culturas e a redução dos custos de produção.
Tendo em vista isso, o Paraguai tem grande interesse em comprar esses dejetos para utilizar em sua produção agrícola. Conforme explica o presidente da Associação Catarinense de Criadores de Suínos (ACCS), Losivanio Luiz de Lorenzi, atualmente já existem tecnologias de peneiras e prensas que separam o dejeto líquido do sólido, para que o produto seja classificado e vendido como um adubo orgânico seco. “Esse é um tipo de produção que pretendemos desenvolver no Estado para exportar para o Paraguai. Estamos em fase de diálogo para a construção de uma indústria de produção de fertilizantes a partir de dejetos suínos. É um projeto que precisa de planejamento e espaço, mas que pode agregar valor à nossa economia”, comenta.
Lorenzi também pontua que foi solicitado ao país vizinho o número de insumos que utilizam e qual a demanda deste produto, para que em troca seja calculado a demanda de grãos que Santa Catarina precisa, pensando na viabilidade econômica entre a Rota do Milho e demais trocas que podem ser realizadas entre os países.
Além disso, para falar sobre essa troca e a integração entre os três países do Mercosul, Lorenzi ministrará sobre “Desafios da Integração, Infraestrutura, Políticas de Integração, Logística e Conexões Fronteiriças”. Segundo ele, os principais problemas enfrentados são a burocracia e a política brasileira, que dificultam a passagem fronteiriça dos caminhões. A palestra acontecerá no dia 11 de novembro, a partir das 16h10.
I FÓRUM AGRO SEM FRONTEIRAS
Para discutir essa integração entre a Argentina, Paraguai e Brasil, o I Fórum Agro Sem Fronteiras reunirá mais de 400 profissionais do setor. O evento acontece entre os dias 11 e 12 de novembro, no Centro de Eventos Plínio Arlindo de Nes, em Chapecó, Santa Catarina.
O evento será realizado pelo Bloco Regional de Intendentes, Prefeitos, Alcaldes e Empresários do Mercosul (BRIPAEM), pelo Fórum de Competitividade e Desenvolvimento para a Região Oeste, com correalização do Sebrae/SC e da Unoesc Chapecó e com patrocínio do BRDE. A organização é da Revista Setor Agro&Negócios.
INSCRIÇÕES
A inscrição para participar do I Fórum Agro Sem Fronteiras pode ser realizada no site da Revista Setor Agro&Negócios, de forma gratuita. Empresários, cooperativistas, estudantes, agentes públicos, representantes das principais cadeias produtivas do agronegócio, especialistas em logística e interessados no assunto tem o prazo para se inscrever até o dia 10 de novembro.
Acesse e garanta a sua participação: http://setoragroenegocios.com.br/forumdoagro.

Veja também

Representantes de SC participam de Encontro das SGCs em Curitiba06/08 A Sociedade Central de Garantia de Crédito (SGC Central) reuniu, na última semana, em Curitiba (PR) representantes de todas as SGCs do País. O objetivo foi promover o fortalecimento dos serviços prestados aos pequenos......

Voltar para (Blog)