Postado em 02 de Outubro às 17h08

Santa Catarina terá de qualificar mais de 785 mil trabalhadores em profissões industriais até 2023

Mapa do Trabalho Industrial, do SENAI, mostra que as áreas de metalmecânica e informática estão entre as que mais vão exigir capacitação de técnicos; estudo também aponta a demanda nos níveis superior e de qualificação

O estado de Santa Catarina terá de qualificar 785.288 trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico, qualificação e aperfeiçoamento entre 2019 e 2023. Os dados são do Mapa do Trabalho Industrial, elaborado pelo SENAI para subsidiar a oferta de cursos da instituição. Essas ocupações têm em sua formação conhecimentos de base industrial e por isso são oferecidas pelo SENAI, mas os profissionais podem atuar em qualquer setor da economia.
A demanda prevista pelo estudo inclui, em sua maioria, o aperfeiçoamento (formação continuada) de trabalhadores que já estão empregados. Em parcela menor (28%) estão aqueles que precisam de capacitação para ingressar no mercado de trabalho (formação inicial). Nesse grupo estão pessoas que vão ocupar tanto novas vagas quanto postos já existentes e que se tornam disponíveis devido a aposentadoria, entre outras razões.
Para o presidente da FIESC, Mario Cezar de Aguiar, é fundamental incluir os trabalhadores nessa nova economia, que exige profissionais para ocupações cada vez mais tecnológicas. “O fortalecimento de toda a cadeia produtiva, o surgimento de soluções que movimentam a economia e o aumento da competitividade do país estão ligados à formação profissional. É por meio dela que vamos inserir os jovens no mundo do trabalho e atender as demandas do mercado, que busca profissionais especializados”, afirma. “Um relatório recente da OCDE demonstra que 61% das empresas brasileiras têm dificuldades para preencher vagas de área técnica. O mundo vem reconhecendo a importância da formação técnica, com propostas de ensino focadas na solução de problemas e o Brasil precisa buscar esse caminho também”, completa Aguiar. 
Além de subsidiar a oferta de cursos do SENAI, o Mapa do Trabalho pode apoiar jovens na escolha da profissão e trabalhadores que desejam se recolocar no mercado. “O profissional qualificado de acordo com a necessidade do mundo do trabalho tem mais chances de manter o emprego e também pode conseguir uma nova oportunidade mais facilmente quando as vagas forem oferecidas”, afirma o diretor-geral do SENAI, Rafael Lucchesi. 
FORMAÇÃO DE TÉCNICOS
As áreas que mais vão demandar a capacitação de profissionais com formação técnica em Santa Catarina são transversais; metalmecânica; informática; energia e telecomunicações; e eletroeletrônica. Profissionais com qualificação transversal trabalham em qualquer segmento, como técnicos em eletrotécnica e técnicos de controle da produção.
Cursos técnicos têm carga horária entre 800h e 1.200h (1 ano e 6 meses) e são destinados a alunos matriculados ou egressos do ensino médio. Ao término, o estudante recebe um diploma.  

Áreas com maior demanda por formação - Técnicos
Áreas
Demanda 2019-2023
Transversais
39.352
Metalmecânica
13.931
Informática
13.803
Energia e telecomunicações
9.689
Eletroeletrônica
9.041

Ocupações industriais com maior demanda por formação dentro e fora da indústria - Técnicos
Ocupações
Profissionais a serem qualificados  
Técnicos de controle da produção
14.806
Técnicos de desenvolvimento de sistemas e aplicações
8.204
Técnicos de planejamento e controle de produção
8.029
Técnicos em operação e monitoração de computadores
5.600
Técnicos em eletrônica
5.512
Técnicos em eletricidade e eletrotécnica
5.480
Técnicos mecânicos na fabricação e montagem de máquinas, sistemas e instrumentos
3.835
Supervisores da construção civil
3.157
Especialistas em logística de transportes
2.907
Técnicos de laboratório industrial
2.830
 
QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL
Já os cursos de qualificação são indicados a jovens ou profissionais, com escolaridade variável de acordo com o exercício da ocupação, e buscam desenvolver novas competências e capacidades. Ao final, o aluno recebe um certificado de conclusão.  As áreas que mais vão exigir a capacitação de trabalhadores com esse tipo de formação, de acordo com o Mapa do Trabalho Industrial 2019-2023 serão:

Áreas com maior demanda por formação – Qualificação (+200h)
Áreas
Demanda 2019-2023
Metalmecânica
59.582
Confecção e vestuário
37.597
Alimentos
19.615
Eletroeletrônica
19.511
Têxtil
11.929
    
Áreas com maior demanda por formação – Qualificação (-200h)
Áreas
Demanda 2019-2023
Transversais
107.876
Logística e transporte
67.674
Construção
52.594
Alimentos
44.025
Metalmecânica
25.373

Segundo o Mapa, entre as ocupações que exigem cursos de qualificação e que mais vão demandar profissionais capacitados estão operadores de máquinas para costura de peças do vestuário e montadores de equipamentos eletroeletrônicos:

Ocupações industriais com maior demanda por formação dentro e fora da indústria - Qualificação (+200h)
Ocupações
Profissionais a serem qualificados  
Operadores de máquinas para costura de peças do vestuário
34.508
Montadores de equipamentos eletroeletrônicos
14.887
Preparadores e operadores de máquinas-ferramenta convencionais
12.365
Mecânicos de manutenção de máquinas industriais
12.293
Padeiros, confeiteiros e afins
8.705
Operadores de instalações e máquinas de produtos plásticos, de borracha e moldadores de parafinas
7.817
Mecânicos de manutenção de veículos automotores
7.709
Inspetores e revisores de produção têxtil
7.012
Marceneiros e afins
6.686
Trabalhadores de fundição de metais puros e de ligas metálicas
6.037

Ocupações industriais com maior demanda por formação dentro e fora da indústria - Qualificação (-200h)
Ocupações
Profissionais a serem qualificados  
Alimentadores de linhas de produção
93.675
Motoristas de veículos de cargas em geral
51.658
Magarefes e afins
39.704
Trabalhadores de embalagem e de etiquetagem
14.056
Ajudantes de obras civis
13.986
Trabalhadores de estruturas de alvenaria
12.455
Apontadores e conferentes
11.489
Trabalhadores da preparação da confecção de roupas
11.353
Trabalhadores de soldagem e corte de ligas metálicas
9.960
Operadores de equipamentos de movimentação de cargas
8.536

Em relação ao nível superior, as áreas de gestão, informática e construção serão as que mais vão precisar qualificar profissionais no período de 2019 a 2023, de acordo com o Mapa do Trabalho:

Áreas com maior demanda por formação – Superior
Áreas
Demanda 2019-2023
Gestão
17.290
Informática
16.130
Construção
4.420
Transversais
2.305
Metalmecânica
1.882
    
Ocupações industriais com maior demanda por formação dentro e fora da indústria – Superior
Ocupações
Profissionais a serem qualificados
Analistas de tecnologia da informação
13.671
Gerentes de produção e operações em empresa da indústria extrativa, de transformação e de serviços de utilidade pública
4.715
Engenheiros civis e afins
3.206
Engenheiros de produção, qualidade, segurança e afins
1.823
Pesquisadores de engenharia e tecnologia
1.489
Gerentes de tecnologia da informação
1.365
Engenheiros eletricistas, eletrônicos e afins
1.272
Gerentes de suprimentos e afins
988
Gerentes de manutenção e afins
765
Gerentes de pesquisa e desenvolvimento e afins
764


METODOLOGIA
O Mapa do Trabalho Industrial é elaborado a partir de cenários que estimam o comportamento da economia brasileira e dos seus setores; projeta o impacto sobre o mercado de trabalho e estima a demanda por formação profissional industrial (formação inicial e continuada). As projeções e estimativas são desagregadas no campo geográfico, setorial e ocupacional, e servem como parâmetro para o planejamento da oferta de cursos do SENAI.
Na opinião de Rafael Lucchesi, conhecer as necessidades do mercado é fundamental para o planejamento da oferta de formação profissional. “O SENAI é referência em educação profissional porque está alinhado com as necessidades da indústria e mantém seus cursos atualizados com o que existe de mais avançado em termos de tecnologia”, explica.
A instituição possui o Modelo SENAI de Prospecção, que permite prever quais serão as tecnologias utilizadas no ambiente de trabalho em um horizonte de cinco a dez anos. A metodologia já foi transferida a instituições de mais de 20 países na América do Sul e no Caribe. O método foi apontado ainda pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) como exemplo de experiência bem sucedida na identificação da formação profissional alinhada às necessidades futuras das empresas.

SAIBA MAIS SOBRE O ESTUDO COM DADOS NACIONAIS:

Texto: Assessoria de Imprensa da FIESC, com informações da Agência CNI de Notícias

Veja também

Produtoras rurais de Anita Garibaldi recebem orientações sobre saúde14/10 Esclerose múltipla, neoplasia da mama, lúpus eritematoso sistêmico, infecção urinária, fibromialgia, depressão, doença celíaca, doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) e lesão por esforço repetitivo (LER) são as principais enfermidades que afetam as mulheres, seja por fatores genéticos, ambientais ou pelas......
2º Fórum Sul Brasileiro impulsiona produção do biogás na região Sul05/09 O Brasil tem capacidade, de acordo com os substratos disponíveis, para produzir mais de 3 bilhões de metros cúbicos de biogás por dia. Isso representa uma geração de energia equivalente a aproximadamente 40% da......

Voltar para (Blog)