Postado em 31 de Maio às 17h43

Santa Catarina tem 27 focos de raiva dos herbívoros confirmados

A Secretaria da Agricultura e da Pesca confirma 27 focos de raiva dos herbívoros no estado. A Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc) reforça os trabalhos nessas regiões e pede a colaboração dos produtores rurais para que vacinem todos os bovinos e equínos.

Os focos de raiva estão localizados em 11 municípios catarinenses: Garopaba, Gravatal, Braço do Norte, Urussanga, Imaruí, Campos Novos, Rio Fortuna, Pedras Grandes, Biguaçu, Tijucas e Gaspar.

O responsável pelo Programa de Controle da Raiva da Cidasc, Fábio de Carvalho Ferreira, explica que, nas regiões onde a vacinação é obrigatória (Canelinha, Biguaçu, Tijucas, São João Batista, Governador Celso Ramos e nos locais de foco), os produtores rurais devem apresentar a nota fiscal de compra da vacina ou o atestado de vacinação emitido por médico veterinário no escritório local da CIDASC, os documentos podem ser cobrados também num momento de vistoria da propriedade.

Os médicos veterinários da Cidasc visitarão as propriedades rurais orientando os produtores sobre os riscos da doença e a importância da vacinação. Lembrando que a raiva é uma doença fatal que acomete os mamíferos, inclusive seres humanos.

Sintomas
A raiva é transmitida por animais domésticos, animais de produção e animais silvestres, ataca o sistema nervoso central, causando mudança de comportamento, paralisia e em alguns casos, agressividade.

O animal doente elimina o vírus da raiva pela saliva, por isso não devemos colocar a mão na boca de cavalos ou bovinos que estejam com dificuldade de locomoção e/ou salivação intensa. Usualmente, a doença é transmitida através da mordida do animal infectado, mas o simples contato entre saliva e feridas abertas, mucosas e arranhões também propaga o vírus.

Caso seus animais tenham marcas de mordedura causada pelo morcego hematófago, comunique a Cidasc, mesmo que não estejam doentes.

Morcegos
Os morcegos hematófagos são os principais hospedeiros do vírus da raiva por via aérea na América do Sul, portanto, mantenha sempre distância de morcegos mesmo que estejam imóveis e aparentemente mortos. Em caso de acidente com um desses animais procure um hospital ou posto de saúde mais próximo, relate o ocorrido e exija o tratamento adequado.
 
Avise ao médico veterinário da Cidasc se souber de algum local que possa abrigar morcegos hematófagos, tais como, cavernas; grutas; ocos de árvore; túneis; bueiros; passagem sob rodovias, cisternas e poços; casas e construções abandonadas. Nunca tente capturar um morcego, chame um profissional capacitado para removê-lo adequadamente.

Informações adicionais:
Ana Ceron
Assessoria de Imprensa
Secretaria de Estado da Agricultura e da Pesca
Fone: (48)-3664-4417/(48) 98843-4996

www.facebook.com/AgriculturaePescaSC/

Veja também

Refugiados venezuelanos são acolhidos em Chapecó28/05 O oeste catarinense acolhe o primeiro grupo de refugiados venezuelanos que chega ao sul do Brasil. Transportados pelo Governo Brasileiro, um grupo de 81 pessoas chegou na segunda-feira (27) no Aeroporto Serafim Enoss Bertaso, de Chapecó, e outros 70 chegam nesta quarta-feira (29). No total, o grupo é formado por 150 adultos, homens e mulheres oriundos de várias regiões da Venezuela......
EM MAIO: Região Norte recebe 58 cursos gratuitos do Senar/SC16/05 Características produtivas, relevo, clima, solo e aspectos gerais de construção de estufas. Esses são alguns dos assuntos abordados no curso de cultivo protegido de hortaliças promovido pelo Serviço Nacional de......
Chapecó: Encontro valoriza a Imprensa catarinense30/07 Por MARCOS A. BEDIN - Jornalista, diretor da MB Comunicação e diretor regional da Associação Catarinense de Imprensa (ACI)/Casa do Jornalista...

Voltar para (Blog)